Primeiros Passos

Email Marketing: Inútil ou Super Importante?

O meu amigo Bruno Brito é professor de Marketing Digital na Escola Superior de Comunicação Social e diz-me frequentemente que a aula sobre Email Marketing é das que desperta menos interesse.

Os alunos podem tentar esconder o seu desinteresse, mas o máximo que conseguem é isto:

Email marketing - Gato entediado

Num mundo de Facebooks, Instagrams, Twitters e Snapchats, é muito fácil não levar o Email a sério.

Por isso, antes de começarmos, vamos para dentro da tua imaginação, para eu te mostrar como é que podes pensar no Email e no Email Marketing.

Imagina isto:

Estás numa festa. Metes conversa com alguém que achas atraente. A conversa é agradável. A pessoa gosta dos mesmos filmes que tu. Tem sentido de humor. E charme. Tanto charme que ficas assim:

Mas a conversa vai chegar a um ponto em que tem de terminar. É tarde, alguém tem de ir para casa, para outro sítio, qualquer coisa. E, como este mundo é muito grande, não é provável que voltes a encontrar esta pessoa atraente e charmosa novamente.

A menos que lhe peças um contacto: um telefone, por exemplo.

Com esse contacto, passas a ter uma forma de chegar até essa pessoa, muito mais fiável que um simples “Hmm, espero um dia voltar a encontrar-te.”

Email Marketing - Figas - Dedos Cruzados

Agora, perguntas tu:

O que é que isto tem a ver com a importância do Email Marketing?

É possível que já me tenhas ouvido dizer que o mundo digital é muito, muito parecido com o mundo real.

A forma como nos ligamos a marcas, sites e páginas de que gostamos é igual a forma como nos ligamos às pessoas na nossa vida.

Se queremos voltar a ver uma pessoa ou uma marca na nossa vida, temos de nos ligar a elas de alguma forma: na vida real, pedimos um contacto; na Internet, podemos fazer “Gosto/Like/Seguir” da marca.

Email Marketing - Like no Facebook

Se não criarmos esta ligação, é improvável que voltemos a ver aquela pessoa interessante ou aquela marca cativante. Mas, a partir do momento em que estamos a seguir uma página, ela faz oficialmente parte da nossa vida.

E, agora, tu dizes:

“Wow, wow, Malheiro… para isso, peço às pessoas para “gostarem” da minha página de Facebook ou Instagram e a ligação fica feita. Porque é que tenho de me chatear com o Email, sobretudo depois de teres usado um gatinho fofinho para me mostrares como o Email Marketing é chato?”

Esta pergunta faz todo o sentido. E o argumento é válido. Mas falta-lhe uma peça.

Quando gostamos de uma página numa rede social ficamos, de facto, ligados a ela. É quase como ficarmos com o número de telefone da pessoa fixe que conhecemos na festa.

A palavra-chave é “quase”. E, tal como na imagem, “quase” não nos ajuda.

Email Marketing - Quaaase

As redes sociais têm duas grandes diferenças face ao Email:

1 – Não nos pertencem

E, por conseguinte, funcionam pelas suas próprias regras e a lista de contactos das pessoas que nos segue também não é nossa (nenhuma rede social te deixa fazer download da informação dos teus fãs).

É por isso que se costuma dizer esta célebre frase sobre o negócio digital:

Email Marketing - Não construas a tua casa em terra alugada

A qualquer momento, aparece o senhorio e diz-nos que temos de sair. Ou que as regras mudaram e nós não podemos fazer nada (como estão a mudar na monetização de vídeos do YouTube) ou que ele cuidou tão mal a terra que já nem faz sentido lá estarmos (podes googlar “what killed MySpace” ou ler isto)

2 – Não nos garantem que chegamos a TODAS as pessoas que nos seguem.

Por exemplo, o poder de alcance de uma marca no Facebook, é cada vez mais baixo, segundo a Business2Community:

  • são 50 milhões de negócios
  • a publicar 1.5 posts/dia
  • que são vistos por uma média de 2% dos fãs

A esta informação, qualquer pessoa com bom senso reage com um:

Atenção: falando por experiência própria, é muito possível subir acima destes 2%, sabendo O Que Faz Um Bom Post. E dou-te a prova disso aqui, quando consegui que 2.3 milhões de pessoas vissem posts da minha página Heelbook, quando esta tinha menos de 90 mil fãs.

Com o Email, estas limitações não existem

1 – A lista de contactos é nossa. Ponto. Final.

Sempre que eu quiser, posso descarregar uma lista com a informação completa que me foi dada pelos meus subscritores. Nome, localização, interesses, email, telefone.

E não ficamos dependentes de plataformas como o Facebook, o Twitter e o Instagram para chegar aos nossos fãs. Até porque, lá está: um dia, as regras dessas plataformas podem mudar, o nosso poder de alcance pode diminuir escandalosamente e percebemos porque é que a “terra alugada” nunca é tão boa quanto a nossa.

2 – Temos o poder de chegar a TODOS os subscritores

Não há rede social que possa garantir que todos os nossos posts chegam a todos os nossos seguidores. É impossível.

No Facebook, como vimos acima, é bem possível que os posts de uma marca sejam vistos por apenas 2%.

Email Marketing - 2% ???

No Email, é bem possível que todos recebam o que lhes enviamos. Quem não recebe? Apenas:

  • quem escreveu mal a sua morada de email no nosso formulário
  • quem tem a caixa cheia
  • e quem está a braços com questões técnicas como sobrecargas temporárias de um servidor ou bloqueios de moradas IP, assuntos que são resolúveis

O que é que isto significa?

Significa que, se ainda estivéssemos à conversa com a tal pessoa interessante:

  • O email é o número de telefone desta pessoa: o contacto em que, se ligarmos, a pessoa vai receber a nossa chamada e, se puder atender, vamos ter toda a atenção dela
  • As redes sociais são um “às vezes venho a este bar… procura-me”, que não vêm com uma garantia que voltamos a encontrar essa pessoa, ou que ela nos encontre a nós

É por estes motivos que grandes gurus do negócio digital não conseguem falar o suficiente sobre como foram os seus esforços de list-building (construção de uma lista de emails) a fazer o seu negócio passar para o próximo nível. Que nível é esse?

O nível em que fazem dinheiro…

… porque se uma pessoa confia numa marca o suficiente para lhe dar o seu email está, provavelmente, receptiva a ofertas de produtos e serviços.

Homer - Vamos Rever

O Email É:

  • nosso
  • fiável
  • uma forma de sermos vistos por todos os nossos subscritores… e potenciais clientes
  • um meio de comunicação que nos dá a atenção de quem nos lê, sem termos de competir com outros 100, 200, 300 posts no feed de uma rede social
  • é o que mostra que um potencial cliente está receptivo ao que temos para lhe oferecer

É por estes motivos que os mesmos gurus disponibilizam muito do seu melhor conteúdo apenas a que lhes cede o seu email – da mesma forma que nós só mostramos o nosso lado super agradável e sedutor a quem nos dá o seu número de telefone.

Com o email (ou com o número de telefone), o negócio (ou a relação) tem para onde evoluir: para uma venda (ou para um encontro agradável).

Se quiseres saber mais sobre como podes usar o email no teu negócio, recomendo:

E tu? Como está a tua relação com o Email Marketing?

2 Comments

2 Comments

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Afonso Malheiro escreve, fala e faz formação/consultoria de marketing digital. Fundou o Heelbook, elegido pela AgoraPulse como uma das Páginas de Facebook do Ano em 2014.

Obteve uma licenciatura em Gestão no Universidade Católica e uma pós-graduação em Marketing Digital no IPAM. E, aparentemente, fala sobre si próprio na terceira pessoa, como se fosse o The Rock.

Copyright © 2019 Afonso Malheiro. Todos os infractores serão perseguidos por pitbulls, dobermans e rottweilers esfomeados que foram obrigados a ver o "Frozen" 100 vezes seguidas.

To Top

Email Marketing: Inútil ou Super Importante?

Tempo de Leitura: 7 min
2